18 de janeiro de 2016

Para Tasso impedimento de Dilma é improvável

Em entrevista ao jornal O Povo, o senador Tasso Jereissati (PSDB), traça um painel desanimador do atual cenário político. 

O senador descrê de que a presidente Dilma Rousseff (PT) será impedida, seja em votação no Congresso, seja em processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Por outro lado, o tucano desacredita que a petista conseguirá recompor sua base de apoio parlamentar e sobreviver até 2018. Tasso desconfia ainda de que recuperação da economia, hoje corroída por quadro recessivo, tampouco será alcançada até o fim do mandato de Dilma, daqui a três anos.

E, finalmente, está convencido de que o “gesto de nobreza” sugerido pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) - o da renúncia - não está nos planos da mandatária do País.

O empresário e ex-governador do Estado do Ceará assegura que há cinco desfechos possíveis para a crise - todos improváveis e que o PSDB errou ao se aliar ao deputado Eduardo Cunha e ser contra algumas medidas do Governo só por ser de oposição.