12 de janeiro de 2016

PT e Pros foram os partidos que mais perderam deputados em 2015

A Câmara Federal vai voltar do recesso em fevereiro com composição diferente da que iniciou o mandato no ano passado. No total, 38 deputados trocaram de sigla e vários partidos contam com número de bancada distinto. 

Entre eles, destacam-se o PT e o Pros, que perderam quatro deputados cada. Ao todo, no entanto, o Partido dos Trabalhadores conta com 10 deputados a menos, deixando de ter a maior bancada da Casa, que, agora, é título do PMDB.


A diminuição dos representantes petistas na Câmara é explicada pela saída de quatro deputados para outras siglas e pelo licenciamento de outros seis para assumirem cargos em secretarias e ministérios. Como a legenda é aliada a muitas outras, os suplentes que assumiram no lugar destes, na maioria das vezes, são de outros partidos.

A diminuição da sigla, no entanto, não é preocupação nem do líder do Governo na Casa, José Guimarães (PT), nem do líder do PT na Câmara, Sibá Machado (PT-AC). Guimarães chega a argumentar que o partido vem crescendo em número de filiados, apesar da crise. Além disso, diz que é na instabilidade política que acontecem “essas depurações”.

O deputado federal cearense afirmou, ainda, que lamenta apenas a saída de um deputado, a do carioca Alessandro Molon, que hoje compõe bancada da Rede Sustentabilidade. Os outros, segundo ele, já estavam votando contra a sigla petista. O mesmo disse Machado, que afirmou que migrações não surpreenderam nem têm como motivo crise política e escândalos de corrupção, mas interesses políticos.

Segundo o líder, o partido não está preocupado com as perdas e não acredita em novas saídas em 2016. Com as mudanças, o PT passa a ter 59 deputados na bancada federal, enquanto o PMDB ostenta 67 representações.

Já o Pros, que perdeu quatro parlamentares na Casa, teria motivo para se preocupar. Ao menos foi o que afirmou o deputado federal Leônidas Cristino (Pros), que está apenas à espera de aprovação de janela partidária.

De acordo com ele, os três deputados cearenses que hoje compõe o Pros na Câmara já estão de malas prontas para o PDT. Além dele, os outros são Ariosto Holanda e Vicente Arruda, além de Balman, atualmente licenciado, mas ainda filiado à sigla.

Enquanto as mudanças foram negativas para algumas siglas, outras, principalmente as mais novas, comemoram. É o caso das recém-criadas Rede e PMB, que, juntos, têm bancada de 26 deputados.

Movimento para criação de novo partido, o Raiz, pode intensificar ainda mais mudanças na Casa. O novato ainda colhe assinaturas.

Com informações O Povo Online