26 de setembro de 2018

Ausências de Cid e Eunício marcam debate entre candidatos ao Senado

Debate com os postulantes ao Senado Federal (imagem capturada do vídeo no Facebook)
Os candidatos ao Senado no Ceará, Eduardo Girão (Pros), Mayra Pinheiro (PSDB), Anna Karina (Psol), Pastor Simões (Psol), Bardawil (Podemos), Dr. Márcio Pinheiro (PSL) e Pastor Pedro Ribeiro (PSL) participaram ontem (20/09) pela manhã de debate na TV Jangadeiro. Ao longo de aproximadamente uma hora e vinte minutos, postulantes apresentaram propostas e questionaram posicionamentos uns dos outros.

Além disso, os postulantes criticaram as ausências de Cid Gomes (PDT), que cancelou presença poucas horas antes do evento, e Eunício Oliveira (MDB), que havia recusado convite desde o início por encontrar-se fora do País.

Cid, líder da disputa ao Senado com 64% das intenções de voto, segundo Ibope divulgado na segunda-feira, 24, desmarcou participação por e-mail, alegando que "o formato do evento e o notório vínculo partidário dos proprietários da emissora com outros candidatos comprometem a imperiosa e imprescindível imparcialidade do certame".

A mediação do debate manifestou repúdio da TV Jangadeiro às declarações do pedetista, afirmando que "as regras do debate são claras e foram aprovadas por todos os candidatos, inclusive Cid".

Ao longo do programa, os postulantes se posicionaram a respeito de temas como saúde, educação, segurança pública, combate ao machismo e à homofobia, defesa da família e contra a corrupção. Enquanto Márcio Pinheiro e Pastor Pedro, correligionários do candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), exaltaram e defenderam o presidenciável, os psolistas Anna Karina e Pastor Simões destacaram condutas machistas, homofóbicas e racistas do militar.

Pronunciadas pelos participantes, críticas às ausências de Cid e Eunício foram acompanhadas de acusações de corrupção direcionadas aos dois, com argumentos de que são investigados pela operação Lava-Jato. Após o evento, o pastor Simões classificou o comportamento de Cid como "um atentado à democracia".

Questionado sobre o repentino cancelamento, Cid Gomes respondeu ao jornal O POVO, por meio de assessoria, reiterando o que foi dito à emissora e informando que não vai se pronunciar a respeito das acusações de corrupção e desrespeito à democracia feitas a ele por adversários durante o debate. A assessoria de Eunício afirmou que ele não responderá às acusações.

O debate foi organizado em três blocos de aproximadamente 20 minutos cada. No primeiro deles, os candidatos fizeram apresentações individuais e responderam perguntas de tema livre realizadas pelo mediador.

Nos dois blocos seguintes, os participantes podiam escolher um candidato ao qual dirigir pergunta. Além do tempo de um minuto para resposta, eles também tinham direito a réplica e tréplica.

Dos 13 candidatos ao Senado pelo Ceará, foram convidados pela emissora os nove cujos partidos têm representatividade no Congresso Nacional. Pelas novas regras eleitorais, as emissoras são obrigadas a convidar os candidatos de partidos que tenham pelo menos cinco parlamentares (considerando senadores e deputados federais).

Com informações portal O Povo Online