13 de setembro de 2018

"O Brasil não aguenta outra Dilma", afirma Ciro Gomes


O candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, disse ontem que o candidato do PT, Fernando Haddad, se eleito, será "presidente por procuração de Lula", comparando o ex-prefeito de São Paulo à ex-presidente Dilma Rousseff em termos de "inexperiência" para o Planalto.

Ciro criticou o PT por só ter anunciado Haddad no lugar do ex-presidente Lula nesta terça-feira, 11, e afirmou que o partido "só pensa em si, não no Brasil". O pedetista participou de sabatina no jornal O Globo.

Sobre o convite que recebeu para ser vice de Lula, disse: "Veio Dilma, Roberto Requião intermediando essa conversa. O Brasil não precisa de presidente por procuração. Sou amigo de 30 anos do Lula, estive na luta contra o impeachment, dois terços dos votos do Ceará foram contra, fui ministro dele. Mas o Brasil não aguenta outra Dilma".

Sem atacar Haddad, Ciro disse que o candidato não tem estofo para ocupar o Planalto por não conhecer o Brasil. "Haddad, não por demérito dele, não conhece o Brasil, não tem experiência, até ele saber onde fica a cabeça do cachorro, o Vale do Jequitinhonha, o Alto Solimões... Fica difícil. Minha crítica é a essa dinâmica, que se aproveita dessa generosa gratidão pela obra do Lula que o povo tem, para de repente você agora nomear uma pessoa. A gente já viu esse filme".

Para Ciro, o PT põe seus interesses acima das demandas nacionais. "O brasileiro tem que separar o justo interesse do PT e o interesse nacional, visto pelo ângulo mais progressista, solidário ao pobre, (que pensa nas) questões do petróleo, Eletrobras, que estarão em jogo no voto agora. O PT muitas vezes dá demonstração de que só pensa em si. Neste casso, é flagrante isso. Todos eles sabiam que Lula não poderia ser presidente. Em vez de respeitar a inteligência do povo, manipularam", acusou.

Ciro disse ainda que o País precisa entender que Lula não é "nem satanás, nem infalível". "O Lula foi um presidente muito bom, mas isso não me obriga a aceitar que ele é infalível. O Lula escolheu a Dilma, escolheu o Temer, escolheu o Palocci, escolheu o Haddad que perdeu a Prefeitura de São Paulo. O Lula criou sim uma rede de proteção social que tirou pessoas da miséria, mas ele não institucionalizou nada disso, ficou dependendo dele", avaliou.

Com informações portal O Povo Online