27 de maio de 2014

Secretário-geral do PMDB avisa que os infiéis não terão legenda

A disputa pelo Palácio da Abolição está provocando desavenças entre os peemedebistas. 

A presença do vice-presidente regional do PMDB, Agenor Neto, e do deputado federal Aníbal Gomes em evento político de apoio à candidatura de Zezinho Albuquerque (Pros) ao Governo do Estado, em Acaraú, não agradou a direção estadual do partido, que tem como pré-candidato ao Executivo o senador Eunício de Oliveira (PMDB). 

O secretário-geral do PMDB, João Melo, avisou que os infiéis não terão legenda para concorrer nas próximas eleições. “O Agenor Neto é pré-candidato e se ele realmente quer ser candidato ele terá que apoiar a candidatura do Eunício (Oliveira). Disso não abrimos mão de jeito nenhum”, enfatizou.

A postura de João Melo vem causando mal-estar entre peemedebistas que mostram maior afinidade com a possível candidatura de Zezinho, um dos nomes do Pros que disputam o apoio do governador Cid Gomes. Anibal Gomes afirmou que tanto ele quanto Agenor vêm recebendo ameaças do secretário-geral.

“O PMDB está ameaçando a gente, e ninguém pode se pronunciar. Querem tirar o direito da gente de escolher nosso candidato. O João Melo não faz outra coisa se não ameaçar as pessoas. Ele devia ter mais juízo e saber que política não se faz com ameaça, se faz com diálogo. Nunca vi ameaça construir nada em política”, atacou.

Apesar das fortes críticas a João Melo, Anibal diz que ainda não está totalmente decidido sobre quem irá apoiar. “Ainda vou conversar com o Eunício. Mas, por enquanto, quando a imprensa me pergunta quem é o melhor candidato, que dê continuidade ao belíssimo trabalho desenvolvido pelo Cid, que tenha diálogo, direi que o Zezinho tem essa qualidade”, enfatizou.

Questionado sobre a presença de dois peemedebistas em um evento político de um nome de outro partido, Eunício disse não se incomodar com a situação e que todos são livres para andar onde quiserem.

 “Não vejo por que me preocupar com isso. Eu me licenciei da direção do PMDB, então também não tenho como te dizer qual exatamente a posição do partido. Minha preocupação agora é com a avaliação final do eleitor”, declarou.

O ex-prefeito e ex-deputado Agenor Neto não se pronunciou sobre as ameaças do secretário geral do partido.


Com informações O Povo Online