17 de dezembro de 2015

Cearenses protestam em defesa do mandato de Dilma

Centenas de pessoas foram às ruas em defesa do mandato da presidente Dilma Rousseff (Fotos: Camila de Almeida)
Seguindo o clima de manifestações em todo o Brasil, ocorreu ontem em Fortaleza o Dia Nacional de Mobilização contra o Impedimento e o Ajuste Fiscal, promovido pelo grupo Frente Brasil Popular, formado por centrais sindicais, movimentos estudantis e representantes de diversas organizações populares. 

A concentração teve início às 14 horas, na Praça Clóvis Bevilaqua, mas só cerca de duas horas depois os manifestantes saíram e percorreram diversas ruas do Centro da capital cearense até a frente da Catedral Metropolitana, onde encerraram o ato com apresentações culturais.

A organização do evento estimou para o jornal O POVO que cerca de 15 mil pessoas participaram da caminhada, que ocorreu de forma pacífica do início ao fim.

Predominantemente de vermelho e empunhando bandeiras, faixas, tambores e alto-falantes, os manifestantes seguiram o trio elétrico que, sob o comando de líderes dos movimentos sociais que organizaram o protesto, comandava a manifestação. Um deles era o presidente da Central Única dos Trabalhadores do Ceará (CUT-CE), Wil Pereira. “Esta é a primeira de muitas outras mobilizações, contra o golpe e a favor da democracia, que virão”, garantiu ele.

A tônica entre os presentes era uma só: pedido de reforma política, apoio total à presidente Dilma Rousseff (PT) e protestos severos contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), responsável por acolher abertura do processo de impeachment contra a petista.

Durante o percurso, os gritos de “Não vai ter golpe, vai ter luta”, “Fora Cunha, Fica Dilma”, replicados pelos carros de som que acompanhavam a passeata, ecoavam pelas ruas do Centro da capital cearense.

“Nós não vamos aceitar essa tentativa de golpe, que rompe com o processo democrático. Estamos nas ruas para mostrar isso”, declarou o presidente do PT no Ceará, Diassis Diniz, um dos líderes da manifestação.

Outro alvo de protesto dos manifestantes foi o ajuste fiscal proposto pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que também foi duramente criticado pelos participantes.

O ato contou ainda com a presença de lideranças políticas regionais do PT e do PCdoB, como o deputado estadual Elmano de Freitas (PT), o Secretário do Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMA), Artur Bruno (PT), e o titular da Secretaria Estadual da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), o ex-senador Inácio Arruda (PCdoB). Todos subiram no trio, discursaram por alguns minutos e foram amplamente aplaudidos pelos manifestantes.

Durante o percurso, o trânsito nas ruas do Centro ficou bastante tumultuado, e os próprios manifestantes auxiliavam na condução dos veículos para que o tráfego pudesse fluir.

Com informações O Povo Online