4 de dezembro de 2015

"Para não dizer que não opinei sobre o impeachment!" por Nicolau Neto

Ser contra o impeachment (que não nada mais é do que uma forma sacana de descontentes com a perca da eleição, se configurando como golpe) não é ser defensor do PT. Pensar assim é atitude de pessoas com mentes pequenas, com senso crítico no diminutivo. 

Sou contra a homofobia e não sou homossexual. Sou a favor do feminismo e não sou mulher. Sou contra o machismo e nem por isso preciso ser mulher. Sou contra o Estatuto da Família recentemente aprovado e nem por isso preciso ser contra a relação homem e mulher. Sou contra as desigualdade sociais em todos os governos e não apenas em um.

Portando, aos desavisados, há a necessidades de se fazer uma leitura crítica da situação do nosso país. Mas essa leitura não pode ser seletiva. Ou seja, escolher um bode expiatório e colocar a culpa das mazelas nele/a, simplesmente porque ele/a não é do "meu gueto" (grupo). Não se pode achar que a retirada de um governante que foi eleito democraticamente e colocar outro irá resolver os problemas (que não são poucos) sem se ter planejamento, estratégias e propostas viáveis para solucioná-los. 

E digo mais: Os que hoje gritam aos quatro cantos do país que querem o fim da corrupção são os mesmo que em uma passado não muito distante quebraram o Brasil. São os mesmo que governaram para a elite. São os mesmo que usaram a mídia golpista para se elegerem. São os mesmo que afirmaram que aposentados são vagabundos. Foram estes demagogos que surrupiaram os pobres. São estes falsos democratas que em suas gestões fizeram de tudo para que a economia vivesse mesmo que para isso os pobres deixassem de viver.

E não me venha com comparações esdrúxulas de Collor e Dilma, porque quem a faz é porque não estudou história e se estudou burlava as aulas.

Nosso pais está em crise. Mas não só crise econômica. A crise é política. A crise é estrutural e principalmente a crise é de valores. A crise é ética, é cidadã, é de politização.

Aos que pensam que o golpe resolve, recomendo ainda uma volta rápida no tempo do regime civil-militar. E não esqueça que a mudança começa com você.

Sendo assim e em prol da democracia de fato e de direito, digo: Dilma Fica!!!