8 de março de 2018

Bolsonaro se filia ao PSL


O deputado Jair Bolsonaro (RJ) filiou-se ontem (07/03) ao Partido Social Liberal (PSL. Ele deverá ser o pré-candidato do partido à Presidência da República. Antes, ele fazia parte do PSC.

A cerimônia foi marcada por discursos de ordem, a favor do combate à violência, dos valores familiares, religiosos e conservadores. Também foram proferidos gritos anti-PT e anti-Lula.


O que aconteceu ontem foi apenas uma cerimônia de filiação, uma vez que a abertura para comunicação de troca de legenda no TSE abre oficialmente apenas hoje, com o início da janela partidária.

Em seu discurso Bolsonaro fez críticas a ministros, à esquerda, à imprensa, ao MST, ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e ao ensino de gênero nas escolas. Mostrou-se a favor de bandeiras como o armamento da população, privatizações, voto impresso e da redução no número de ministérios (com definição dos nomes antes das eleições). 

Jair Bolsonaro está no 7º mandato como deputado federal, aparece como um dos favoritos ao Planalto nas pesquisas de intenção de voto, pontuando na faixa dos 20% a depender da combinação de cenários. O 2º lugar fica embolado entre Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB), em uma simulação sem Lula.

Além de simpatizantes, o ato teve a presença de deputados federais, inclusive de outros partidos, além dos filhos do ex-capitão Flávio Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro.

Em seu discurso, Flávio defendeu que “o cidadão que quiser, tenha o dinheiro de ter uma arma”. Já Eduardo Bolsonaro usou sua fala para defender a implementação do voto impresso e falar sobre importância da tecnologia nas eleições deste ano.

“Temos aqui a imprensa independente, pessoas com celular. É assim que vai ser. Não se sintam menos importantes”, disse Eduardo Bolsonaro.

Também presente, o senador Magno Malta foi recebido ao som de “vice”. Negou, no entanto, que tenha sido convidado pelo militar para compor chapa. Até o momento, nenhum nome foi confirmado como vice do militar.

Ao receber a palavra, Jair Bolsonaro pediu para que todos cantassem o Hino Nacional. Em seguida, convidou Magno Malta a fazer uma oração. Ao falar do pai, ameaçou chorar. Após falar, saiu acompanhado de grande parte dos presentes.

Com informações portal 360