21 de março de 2018

Capitais fazem atos em homenagem a Marielle e Anderson

No Rio de Janeiro, manifestação partiu da Igreja da Candelária e seguiu até a Cinelândia Mauro Pimentel
A vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes foram, mais uma vez, homenageados em manifestações em várias capitais do País. Ontem, seis dias após assassinato brutal de ambos no Rio de Janeiro, houve atos que pediam por justiça e cerimônias ecumênicas.


O maior ato foi na capital fluminense. A partir nas 17h30min, multidão concentrou-se na Igreja da Candelária e depois seguiu pela avenida Rio Branco até a Cinelândia, onde houve o ato religioso. Carregando faixas pedindo justiça, os manifestantes lembraram a luta da vereadora pelo direito da população negra, pobre e LGBT.

Protesto teve a presença de muitos políticos, mas também de Ágatha Reis, esposa de Anderson. “Nós representamos as pessoas que saem de casa todo dia e não sabem se vão voltar”, disse.

Em Fortaleza, ato teve concentração na Universidade Estadual do Ceará (Uece), no bairro Itaperi, de onde seguiu para a Praça da Cruz Grande. Também foi realizada cerimônia ecumênica, precedida por apresentações culturais. Ailton Lopes, presidente estadual da sigla, explica que protesto foi marcado por ocasião do sétimo dia da morte de Marielle e de Anderson

“Nós já havíamos feito um ato na semana passada na Praça da Gentilândia, e resolvemos agora vir para outro ato da Cidade, dialogando tanto com a universidade como também com a periferia e com moradores e moradoras que são vítimas constantes de diversas violações de direitos”, disse.

No ato, declaração da deputada federal Gorete Pereira (PR), em vídeo publicado nas redes sociais ontem, foi criticada. No vídeo, ela diz que Marielle defendia “muitas pautas polêmicas” e que não deveria ter sido contra a intervenção federal no RJ.

Após repercussão negativa, Gorete afirmou ao jornal O POVO que foi “mal interpretada” e que “gostaria que todos os crimes contra mulheres tivessem a mesma repercussão como esse teve”.

Ainda ontem, foi publicada no Diário Oficial a portaria da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, designando cinco membros do Ministério Público Federal para acompanharem as investigações do caso.

Com informações portal O Povo Online