24 de março de 2018

Oposição adia mais uma vez definição de apoio a Capitão Wagner


Não foi dessa vez que a oposição finalmente se definiu sobre a eleição para o Governo do Estado. Mesmo com o pré-candidato Capitão Wagner (Pros) pressionando o grupo para acelerar as conversas e apresentar os nomes, o PSDB decidiu adiar mais uma vez a reunião que deve definir o rumo do grupo na disputa pelo Palácio da Abolição. A expectativa é que o encontro seja realizado na próxima semana.

Oficialmente, os tucanos alegam que o adiamento da reunião teve como razão maior a impossibilidade de os técnicos que realizaram a pesquisa encomendada pela legenda estarem presentes na noite de ontem (23/03). A pesquisa seria apresentada e, de forma didática, explicada à oposição.


Nos bastidores, porém, há comentários de que as últimas declarações de Wagner é que azedaram a relação com o PSDB, que acabou cancelando a reunião. Ainda ontem, o senador tucano Tasso Jereissati teve reunião a portas fechadas com o vice-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa (PR). O POVO tentou contato com o ex-gestor, mas o telefone estava desligado.

O deputado Raimundo Gomes de Matos (PSDB) afirmou ao O POVO que a legenda estava inclinada a apoiar o nome do parlamentar para a disputa ao Executivo, mas a filiação ao Pros e declarações na tribuna da Assembleia Legislativa criticando a cúpula do PSDB podem ter mudado a orientação partidária.

Em entrevista ontem ao programa Ceará News, da Rede Plus e FM Canaã, horas antes do encontro que ainda estava marcado no escritório do senador Tasso Jereissati (PSDB), Wagner comentava que não era mais possível esperar outro agendamento de reunião porque a oposição já havia realizado vários encontros sem definição alguma. “Estava passando da hora da oposição se definir. Ninguém aguentava mais”, desabafou.

O jornal POVO tentou conversar com o parlamentar através da assessoria de imprensa para falar sobre mais um adiamento, mas não recebeu retorno até o fechamento desta página. Correligionário de Wagner, o deputado Roberto Mesquita (Pros) tentou colocar panos quentes nas divergências entre opositores do governador Camilo Santana (PT).

Sobre boatos de que o pré-candidato teria dado um prazo para o PSDB, com ameaças de desistir da candidatura, Mesquita disse que a intenção de disputar ainda está de pé e que as conversas continuam sendo feitas.
Com informações portal O Povo Online