26 de março de 2018

Cresce a possibilidade de o PSB apoiar Ciro Gomes

Para Odorico Monteiro a alma do PSB hoje é pró-Ciro (Foto: Divulgação)
Com planos de candidatura própria frustrados e dúvida sobre a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições, o PSB fortalece a possibilidade de apoiar o pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, para a Presidência da República. “A alma do PSB hoje é pró-Ciro. Tem um sentimento aí, uma simpatia”, considera o presidente estadual do partido, deputado federal Odorico Monteiro.

Entretanto, a sigla não abre mão da meta de eleger pelo menos dez governadores no próximo pleito. Conforme Odorico, esse é o principal ponto para consolidar a aliança. “Se o PDT tiver como deliberação apoiar os dez governadores do PSB, facilita essa possível aliança com o ex-ministro”, afirma.

O apoio a Ciro Gomes vem sendo costurado desde o ano passado pelo PSB, mas ainda não foi fechado porque o partido tinha interesse de lançar o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa para a disputa pelo Planalto. O ex-ministro, porém, tem demorado a decidir sobre a candidatura. Diante do silêncio, o PSB procura outras possibilidades.

Até 2013, a sigla abrigou Ciro Gomes e o grupo político comandado por ele. Ciro se desfiliou por desavenças com o partido, após o PSB Nacional defender a candidatura de Eduardo Campos à época.

Na avaliação de Odorico Monteiro, as diferenças entre o partido e Ciro estão superadas. A ideia de apoiá-lo também se alinharia ao retorno do partido para a centro-esquerda, o que foi confirmado no último congresso nacional realizado pelo PSB, em fevereiro deste ano. “Estamos buscando conseguir uma unidade para que o centro-esquerda não fique fora do segundo turno. Esse seria o pior cenário para o País”, considera.

No campo estadual, além de confirmar o apoio ao governador Camilo Santana (PT), o partido empreendeu campanha de filiação que pretende trazer para a sigla pelo menos 40 mil novos membros até dezembro. Odorico entende que a proposta se alinha com o momento de retorno ao centro-esquerda encarado pelo partido, principalmente após a saída do deputado Danilo Forte (atual DEM) da liderança do partido.

“O fato de a direção anterior do partido ter apoiado e ser da base do Governo Temer afastou muito a militância que, na sua maioria, é oposição ao Governo”, afirma Odorico. Para ele, o momento é também de restabelecer antigos filiados que haviam se afastado do partido.

Ainda em período de janela partidária, Odorico diz que tem conversado com possíveis novos quadros para a legenda, mas a migração só será possível se for para o fortalecimento do partido no centro-esquerda. Evitando citar nomes, o deputado informou que as discussões ainda são preliminares e que deverão ser definidas até o dia 5 de abril.

Para as eleições, o presidente estadual do PSB diz que ainda não está fechada a meta para a bancada na Assembleia Legislativa. Nacionalmente, no entanto, a ideia é eleger pelo menos um deputado federal para cada estado da federação e ampliar a bancada na Câmara dos Deputados, que hoje é formada por 35 parlamentares.

Com informações portal O Povo Online