22 de março de 2018

Presidente do Facebook admite negligência do Facebook em vazamento de dados


O presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, rompeu o silêncio ontem (22/03) sobre o escândalo do uso de dados pessoais na rede social, admitindo que a companhia cometeu “erros” e deve fazer mais para resolver o problema. “Temos a responsabilidade de proteger seus dados e se não pudemos, não merecemos servi-los”, escreveu, na própria página.

“As medidas mais importantes para isso não ocorrer de novo foram tomadas há anos, mas também cometemos erros e há mais por fazer”, acrescentou. Zuckerberg se disse “responsável pelo que acontece” no Facebook e prometeu oferecer aos usuários uma melhor utilização de seus dados pessoais. 


O Facebook está no meio de uma “tempestade” depois que a empresa de análise de dados Cambridge Analytica foi acusada de obter, sem consentimento, dados de 50 milhões de usuários para elaborar um programa que permite prever a votação dos eleitores. O software teria sido usado para influenciar a campanha de Donald Trump.

O psicólogo que desenvolveu o aplicativo que serviu à Cambridge Analytica disse ontem que o mesmo era legal e se ajustava aos termos de uso.  



Aleksandr Kogan, professor de psicologia da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, lamentou, em declarações à BBC, que tanto o Facebook quanto a Cambridge Analytica o estejam usando como “bode expiatório” ao culpá-lo de uso ilegal de dados pessoais.

O escândalo custou ao Facebook uma desvalorização de 7% na bolsa de Nova York em três dias. “Honestamente, pensava que agíssemos de forma apropriada, achava que fazíamos algo normal”, avaliou Kogan. Ele desenvolveu um aplicativo denominado This is Your Digital Life (Esta é a sua vida digital). 

O caso alavancou um movimento de debandada do Facebook. A iniciativa recebeu o apoio de um dos fundadores do WhatsApp, que hoje pertence ao Facebook. “#deletefacebook (#apagueoFacebook)”, escreveu Brian Acton, no Twitter. A hashtag se popularizou nestes dias. “É hora de dar importância à privacidade”, disse.
Com informações portal O Povo Online