16 de janeiro de 2014

PROS quer Integração Nacional, pasta cobiçada pelo PMDB

Agitado por anseios de candidaturas próprias em pelo menos cinco estados - incluindo o Ceará -, o PMDB começa o ano eleitoral de 2014 pressionando a presidente Dilma Rousseff por mais cargos no governo. 

Dono de cinco ministérios, o partido do vice-presidente Michel Temer quer mais um: a Integração Nacional, hoje chefiada interinamente pelo cearense Francisco Teixeira, indicação do governador Cid Gomes (Pros). O partido de Cid espera ficar com o posto. 

“A Integração tem a vantagem de já ter o Teixeira, que conhece bem a realidade nordestina. Manter o ministério seria muito importante para o Ceará e para o Pros”, disse o vice-líder do partido na Câmara dos Deputados, Antonio Balhmann (CE).

Segundo ele, o prestígio dos irmãos Cid e Ciro Gomes, os dois expoentes nacionais do Pros, a própria experiência de Ciro como ministro da Integração no governo Lula e a força eleitoral do Pros no Nordeste serão levados em conta. “Partido nenhum conhece mais a realidade do Nordeste do que o Pros”, diz Balhmann.

Até fevereiro, quando a reforma ministerial possivelmente estará concluída, Dilma tentará acomodar o máximo possível de partidos aliados para garantir mais tempo de TV em sua campanha pela reeleição.

Depois de Dilma avisar que não pretende dar outro ministério ao PMDB, a cúpula da legenda se reuniu ontem em Brasília para decidir como agir.

Para o deputado federal Danilo Forte (PMDB-CE), falta ao partido “participação na administração”, mesmo controlando cinco pastas. “Não é a quantidade, é a qualidade desses ministérios. O que a gente quer é a compreensão do PMDB como parceiro de governo. O partido está sem marca. Não podemos ser um coadjuvante de luxo”.

Antonio Balhmann (Pros), diz ainda que a saída do PMDB do governo “não tem a menor possibilidade de acontecer. É mais um movimento que caracteriza ambiente pré-eleitoral”. O próprio Danilo Forte acha que seus correligionários estão exagerando. “Isso cheiraria a chantagem”.

Com informações O Povo Online