17 de janeiro de 2014

Mais de 90% dos aprovados pelo Sisu na UFC moram no Ceará

Das 6.378 vagas ofertadas pela Universidade Federal do Ceará (UFC), 5.762 - ou 90,3% - ficaram, na primeira chamada do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2014, com candidatos que declararam morar no Ceará. Na edição 2013, percentual havia sido de 82,3%.

Esse aumento, de acordo com o coordenador do Sisu na UFC, professor Miguel Franklin, deve-se ao maior número de vagas destinadas às cotas. Nesta edição, a instituição está aplicando 50% das chances aos estudantes que cursaram todo o ensino médio na rede pública, de acordo com a lei federal nº 12.711/2012. No ano passado, as cotas foram de 12,5%, percentual mínimo exigido. 

“Há até pouco tempo, os estudantes cearenses de escola pública, que são maioria, não viam oportunidade de ingresso no ensino superior. O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) serve como uma porta sem sair da sua cidade”, avalia. Miguel Franklin lembra que a procura do cearense pelo Enem é crescente. “Tivemos notável aumento de 40% no número de inscrições de 2012 para 2013”, afirma. Em 2013, o exame foi realizado em 84 municípios do Estado.

O coordenador do Sisu na UFC estima que o percentual de 10% de aprovados de outros estados deve diminuir na matrícula. “O Brasil não tem uma cultura de mobilidade estudantil arraigada ainda. O Sisu é uma semente dessa cultura.”

Dos 100 cursos ofertados pela UFC no Sisu 2014, 14 tiveram a totalidade de seus aprovados entre os residentes do Ceará. Em 2013, isso havia acontecido apenas no curso noturno de licenciatura em Ciências Sociais. Além disso, nenhum curso teve mais aprovações de estudantes de outros estados do que de residentes no Ceará. Dos candidatos à ampla concorrência, 90,8% residem no Ceará, enquanto o percentual entre os cotistas varia de 84,7% a 90,6%, de acordo com a faixa de cota.

A Universidade Federal do Cariri (UFCA), criada em junho de 2013 e tutelada pela federal do Ceará, detém 720 vagas do total da oferta da UFC. Na instituição, os cursos com mais moradores do Ceará são Administração (noturno) e Biblioteconomia, ambos com 98%. A menor presença é em Medicina (51,3%).

A estudante Letícia Fernandes, de 16 anos, obteve 738,7 pontos no Enem, índice suficiente para ser aprovada, na primeira tentativa, no curso de Engenharia Química da UFC. Sobre a concorrência com estudantes de todo o País, Letícia conta que se preocupou mais com o menor número de vagas para ampla concorrência. “Antes da prova batia a preocupação, porque tem muita gente boa concorrendo”, recorda-se.

Com informações O Povo Online