7 de janeiro de 2014

Volume dos açudes no Ceará cai 54% em dois anos

Com precipitações abaixo da média histórica, os anos de 2012 e 2013 apresentaram sucessivas baixas para o volume total de água armazenada em açudes públicos do Ceará. Comparando-se os dados de janeiro de 2012 e janeiro de 2014, houve redução de 54,7% nos reservatórios monitorados pela Companhia de Gestão de Recursos Hídricos do Estado do Ceará (Cogerh).
No início de 2012, o Estado contava com 70,6% da capacidade em 139 açudes. Com cinco reservatórios a mais, os anos de 2013 e 2014 começaram com números mais baixos: 46,6% e 31%, respectivamente.

Tanto em 2012 quanto em 2013, a redução dos níveis dos reservatórios só deu trégua nos meses da quadra chuvosa. Segundo a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), o período de chuvas dos dois anos (de fevereiro a maio) ficou abaixo do que costuma chover no Ceará. A média histórica de 607,5 milímetros não foi alcançada nem em 2012 (com 302,4 mm) nem em 2013 (com 376,8 mm).

Segundo Yuri Castro, assistente técnico da presidência da Cogerh, uma temporada com chuvas dentro da média histórica é capaz de aumentar o volume total dos açudes em 20 pontos percentuais.O último ano a apresentar uma boa recarga foi 2011, que começou janeiro com 55,9% e chegou a 85,1% no início de junho, com 45 açudes sangrando. Mas nos dois últimos anos, afirma Castro, as chuvas foram insuficientes para superar as perdas geradas pelo consumo de água em todo o Estado.

Em 2012, os primeiros dias de cada mês apresentam poucas mudanças causadas pelas chuvas de fevereiro a maio: de 69,2% em março para 69,4% em abril, 68,1% em maio e 66% em junho, caindo para 62% em julho. Houve mais precipitações no ano passado, mas a tendência se manteve: 43,6% em março, 42,4% em abril, 42,8% em maio e 42,9% em junho, tornando a cair para 42,5% em julho.

Além de apresentar redução no volume total, o movimento foi de baixas nas bacias hidrográficas durante todo o ano, com a situação amenizada nos meses de abril e maio. Em comparação com janeiro de 2013, a bacia dos Sertões de Crateús apresentou maiores perdas, tendo reduzido em quase 70% o volume das águas. Todos os dez açudes da bacia estão em situação considerada muito crítica (entre 0 e 10% da capacidade).

Em Independência, o açude Cupim está com o menor volume: 20 milhões de litros, o que representa 0,4% do que o reservatório pode acumular. Outros açudes da bacia estão localizados nos municípios de Crateús, Novo Oriente, Quiterianópolis, Ipaporanga e Tamboril.

Com informações O Povo Online

Leia também:

Secretário preocupado com assoreamento do Açude Pajeú