19 de janeiro de 2014

Maioria dos navegantes é contra doação do Campo da AEA para construção do Estádio

Uma enquete lançada no grupo “Altaneira - Ceará” da rede social Facebook mostrou que mais de 70% dos navegantes é contra a doação do Campo da AEA para construção do Estádio como quer o prefeito municipal Delvamberto Soares (PROS).

O prefeito conseguiu com o Governo do Estado, por intermédio do Deputado Sineval Roque, recursos na ordem R$ 600.000,00 para a primeira etapa de construção do Estádio.

O prefeito defende a construção no Campo da AEA, sob a alegativa de que a área é tradicional e o local mais apropriado.

O blogueiro Junior Carvalho Junior foi um dos primeiros a votar na enquete e comentou que no seu entendimento no campo da AEA não tem espaço suficiente para fazer um Estádio, mas se o local for ampliado com certeza seria uma boa opção. O servidor Israel Cristiano Silva e o empresário Vangberto Elson Moreira discordaram da proposta usando os mesmos argumentos.

Já o professor Paulo Robson disse que em termos de história, não haveria lugar tão apropriado quanto o campo da AEA para a construção, afinal desde que a associação foi criada o espaço utilizado foi aquele. Cita que foi ali onde atletas como Zezinho, Quies, Deda Mandu e tantos outros mostraram o quanto podemos ser talentosos no futebol.

“Entretanto, do ponto de vista estrutural, não considero ideal, pelo contrário, para as condições exigidas para a construção de um estádio, por menor que seja, a área disponível é insuficiente. Até por quê tal construção não se resume em apenas um campo gramado” comentou Paulo Robson.

O Dr. Adevaldo Arrais, o primeiro presidente da AEA, disse ser totalmente contra, lembrou que o campo é uma propriedade privada da entidade e o recurso para construção é público o que inviabilizaria a execução do projeto. “Como ficaria a Associação neste caso? Perderia o terreno?” indaga Dr. Adevaldo.

O professor Vinicius Freire afirmou que o que tem que ser levado em conta também é se espaço do campo é suficiente ou próprio para a construção do estádio, pois ao lado do campo temos o cemitério, algumas casas e a estrada que leva para o Estevão, além do que a medida do campo já ocupa praticamente todo terreno.

O vereador Professor Adeilton disse também não concordar com a proposta. “O campo deve continuar sendo patrimônio da AEA. Como também não há espaço suficiente para construção de estacionamento, arquibancadas, demais áreas de laser. O município tem condição de adquirir outra área maior e mais adequada pra esse fim” sugeriu.

O secretário de Administração e Finanças Ariovaldo Soares disse que não ver como a Associação possa fazer nada de construção na área de terreno do campo da AEA, uma vez que a entidade não possui receitas, não recebe apoio de empresas, não recebe sequer as mensalidades dos associados. Disse também que ser contrário apenas pelo argumento de "preservar o único patrimônio da entidade", considerava um desproposito.

“O Governo vai construir o Estádio é para os desportistas, portanto a entidade beneficiada diretamente será a AEA. Na minha opinião o terreno do campo é também inapropriado pela sua dimensão, vou sugerir amanha que a AEA procure uma troca com outra área de terra melhor adequada e efetive a doação da nova área ao Governo Municipal, condicionado em lei, que o Município tenha prazo para entrega da obra e a associação tenha gerencia compartilhada do futuro estádio” comentou.

Ariovaldo disse também que não havendo concordância, votará pela construção do estádio na área do campo de acordo com os interesses do governo a que serve.

O professor Jose Evantuil também se pronunciou contrário e citou as seguintes razões: “O campo de terra perderia seu sentido histórico; não há espaço para arquibancada; o local não comporta um estádio; a rapaziada não poderá usufruir do estádio como o faz no campo público e aberto. Há uma cultura dos prefeitos em amontoar os empreendimentos em terrenos já adquiridos, isso é ruim, temos um conjunto populacional instalado na praça do cemitério, um posto de saúde na garagem da prefeitura e outro na pracinha das Populares, etc”.

O estudante de educação física Pedro Rafael Pereira também discorda da construção do estádio municipal n o campo da A.E.A e comentou que “suas dimensões não seriam as adequadas, já que as medidas do campo que são utilizadas no Brasil possuem dimensões entre 100 e 110 de comprimento e 64 a 75 metros de largura, sem contar na área de escape que deve ter um bom espaço entre o campo e o alambrado, com isso não sobraria lugar para a torcida”.

O presidente da AEA e o prefeito Delvamberto votam na enquete, cada um de um lado, mas não postaram nenhum comentário. Logo mais as 09h. os associados decidirão sobre a proposta, podendo ou não o campo da AEA ser doado ao Município. Apenas os associados patrimoniais podem votar neste caso.