25 de abril de 2018

Remuneração de professores e subsídios de políticos voltam ao debate nas redes sociais


Uma postagem do vereador Professor Adeilton (PSD) na rede social Facebook  na manhã de ontem (24/04) trouxe ao debate, mais uma vez nas redes sociais a comparação da remuneração dos professores com subsídios de políticos. Como um país que pretende crescer tem os políticos mais caros do mundo e os professores mais baratos? Achei forte, mas verídico, postou o parlamentar.

O professor Pedro Rafael disse que exatamente por isso criticou tanto o projeto de aumento dos "salários" dos vereadores, prefeito, vice e secretários, mas lembrou que mesmo assim foi aprovado. “e os profissionais de educação penando pra receber o Precatório”, comentou Pedro.

Edival Sales considerou a situação como revoltante, já Maria Edleuza disse que a situação era difícil para Adeilton já que exerce as funções.

“Em uma cidade tão pobre de emprego, aonde poucos não recebem se quer um salario mínimo, o vereador receber o valor que recebe é muito falta de respeito para com os demais, imagina só comparando com outros cargos maiores”, comentou Felipe Lima.

Para Regina Garcia o primeiro posso a ser corrigido seria se os políticos parassem de decidir o próprio salario, “seria muito bom se cada um de nos decidíssemos o quanto deveríamos ganhar, como os políticos fazem”, escreveu.

No grupo de WhtasApp do Blog de Altaneira o ativista de mídia digital, Italo Duarte, compartilhou imagem de postagem do Blog Negro Nicolau em que o vereador Professor Adeilton defendia que a Câmara Municipal fixasse os subsídios do vereadores no teto, “nem que a Câmara não possa pagar”, com a mensagem do professor Nicolau informando que Em 2016 Adeilton deu essa declaração.

Italo Duarte ainda indagou: “Quer enganar a quem vereador?” e complementou: “Isto tem nome é Demagogia. Hipocrisia”.

O blogueiro Junior Carvalho disse que a postagem do parlamentar era no mínimo contraditória

O vereador Adeilton justificou que a sua revolta não é pelo subsídio do vereador ou de outros políticos e sim pelo fato dos professores não serem respeitados e nem valorizados.

“A luta é pela valorização da categoria que poderia usarmos como parâmetro a valorização dos políticos quanto a condições de trabalho e de salário”.

O vereador ainda ironizou as críticas de Italo e Júnior; “Como é difícil debater com quem acha que sabe ler”.