8 de abril de 2018

Em discurso emocionado, Lula anuncia que se entregaria

Lula saiu nos braços da militância após fazer o discurso e anunciar que iria se entregar (Foto: Francisco Proner) 
Diante de uma multidão de militantes incansáveis na frente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, o ex-presidente Lula anunciou ontem (07/04) sua decisão de se entregar e que cumprirá a condenação de 12 anos de prisão decretada contra ele. “Vou cumprir o mandado (...) e cada um de vocês se transformará em um Lula”, afirmou o ex-presidente, que proclamou sua inocência e acusou o juiz Sérgio Moro de “mentir”.

A militância reagiu em coro, gritando “não se entrega, não se entrega!” e “sou Lula!”. Segundo o ex-presidente (2003-2010), sua condenação obedece ao propósito de evitar o retorno da esquerda ao poder nas eleições de outubro, nas quais é apontado como favorito pelas pesquisas.

“Eu há muito tempo atrás sonhei que era possível governar esse país, envolvendo milhões de pessoas pobres na economia, nas universidades, criando milhões de empregos”, declarou.

“Esse crime eu cometi. Eu cometia esse crime que eles não querem que eu cometa mais. É por conta desse crime que já tem uns 10 processos contra mim. E, se for por esse crime, de colocar pobre na universidade, negro na universidade, pobre comprar carro, pobre andar de avião, se esse é o crime que eu cometi, eu vou continuar sendo criminoso nesse país, porque eu vou fazer muito mais”, afirmou, ao lado de várias lideranças de esquerda, entre elas sua herdeira política, a ex-presidente Dilma Rousseff.

“Eu acredito na Justiça. Numa Justiça justa, que vota um processo baseado nos autos do processo, nas informações das acusações, das defesas, na prova concreta”, disse Lula, alegando que Moro não tem provas para condená-lo como beneficiário de um apartamento entregue pela construtora OAS para tirar proveito de contratos na Petrobras. “Ele (Moro) mentiu dizendo que (o apartamento) era meu”, frisou..

Ao final de seu emocionado discurso, o petista foi carregado pela multidão. Lula tentou encorajar a militância e seus partidários, cercando-se de jovens candidatos de outros partidos de esquerda e reafirmando um programa de defesa dos direitos sociais e das estatais. O momento ainda parece particularmente difícil para boa parte, porém.

Pouco antes do início da missa em homenagem à dona Marisa Letícia, um juiz do Supremo rejeitou o último recurso apresentado pelos defensores de Lula para bloquear o mandado de prisão - um golpe de misericórdia para a defesa.

Quando Lula voltava para o sindicato cercado por seus correligionários, a música parou de repente e, pelo alto-falante, pediu-se a presença de um médico, por um suposto mal-estar do ex-presidente. Logo circulou a informação de que ele havia-se restabelecido, observou uma jornalista da AFP no local.

A missa foi realizada em memória da ex-primeira-dama Marisa Letícia, falecida em fevereiro de 2017.

Com informações portal O Povo Online