6 de maio de 2018

Ciro Gomes investe em aproximação com a elite financeira


Há quase 16 anos, o então candidato à Presidência da República pelo PPS, Ciro Gomes, divulgou nota oficial para explicar uma frase dita em um jantar com 30 empresários na casa do amigo Ricardo Steinbruch, do Grupo Vicunha: “O mercado que se lixe”. 

Naquele mesmo ano, em 2002, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pavimentou o caminho para o Palácio do Planalto e acalmou o mesmo mercado com a Carta ao Povo Brasileiro, na qual se comprometia a “cumprir contratos” e manter a diretriz econômica em vigor.



Em 2018, o petista - condenado e preso na Lava Jato - e o ex-governador do Ceará, agora no PDT, novamente se apresentam para a corrida presidencial. Mas Ciro é o único que tem se dedicado a construir pontes com a elite financeira do País.

O ex-governador, que foi ministro da Fazenda de Itamar Franco, tem feito um esforço explícito para afastar a imagem de imprevisível e explosivo e ser bem recebido em círculos identificados com o pensamento econômico liberal.

“O Ciro está mais aberto a escutar e menos voluntarioso”, diz o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade. Os dois concordaram na necessidade da promover uma reforma da Previdência e o ajuste fiscal - mas não tocaram em um ponto nevrálgico: a reforma trabalhista.

Com informações portal O Povo Online