31 de agosto de 2014

Presidente da CNBB critica uso eleitoral de igrejas

O presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), cardeal dom Raymundo Damasceno, disse que as igrejas não são “currais eleitorais” e não devem influenciar os eleitores nas eleições de outubro.

Dom Raymundo disse que a Igreja Católica não faz “distinção” de candidatos por religião, nem pede que os católicos escolham nomes ligados à sua opção religiosa. “Não fazemos nenhum curral eleitoral. Orientamos, falamos, mas não fazemos comitês eleitorais em nossos templos. A liberdade é fundamental”, afirmou. 

Questionado sobre a candidatura à Presidência de Marina Silva (PSB), que é evangélica, dom Raymundo argumentou que os fiéis são “livres” para escolher seus candidatos, mas devem fazê-lo de “maneira consciente”.

“O eleitor deve conhecer suas propostas, seu passado, seu projeto de governo. Temos que escolher o melhor candidato pensando no Brasil, e não em interesses pessoais ou de grupos”, afirmou.

O cardeal cobrou dos candidatos uma atuação na política de forma “coerente com os seus princípios”. “Tem que manifestar sua fé em sua vida social, no trabalho, e atuar pensando no bem do país. Não fazemos discriminação.”

A CNBB vai realizar no dia 16 de setembro, em Aparecida (SP), debate com os sete candidatos à Presidência da República com melhores colocações nas pesquisas de intenção de votos. Foram convidados, além de Marina Silva, a presidente Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB), Pastor Everaldo (PSC), Eduardo Jorge (PV), Eymael (PSDC) e Luciana Genro (Psol). A entidade ainda não confirmou a presença de todos no debate.

Com informações O Povo Online