9 de outubro de 2014

Aécio ganha apoio do PSB, PSC e PV no segundo turno

Roberto Amaral, presidente do PSB, cumprimenta o candidato tucano (Foto: Divulgação)
A abertura da temporada oficial de adesões para o segundo turno na disputa presidencial, ontem, foi amplamente favorável ao candidato Aécio Neves, do PSDB, que ganhou adesões à sua campanha do PSB (de Marina Silva), PV (de Eduardo Jorge) e PSC (do Pastor Everaldo). Dilma Rousseff, do PT, teve como boa notícia apenas a decisão do Psol, através da candidata Luciano Genro, de orientar contra o voto em Aécio, deixando os filiados livres para anular, votar em branco ou optar pela petista. 

A decisão mais esperada de ontem envolvia o PSB, cuja candidata, Marina Silva, teve mais de 21 milhões de votos no primeiro turno. Após mais de três horas de reunião e com algumas divergências, a Executiva Nacional tarde desta quarta-feira (8) o apoio a Aécio com 21 votos a favor contra 7 que optavam pela neutralidade. O senador João Capiberibe (AP) foi o único a defender o apoio a Dilma Rousseff (PT).

Aliado do PT e oposição aos tucanos durante boa parte de sua história, o PSB rompeu com o governo petista. No primeiro turno, o PSB acusou os petistas de patrocinarem uma campanha de mentiras contra a ex-senadora.

Mais cedo, PSC e PV já haviam anunciado opção pelo tucano. Os dois candidatos dos partidos no primeiro turno à corrida presidencial, Eduardo Jorge (PV) e Pastor Everaldo (PSC), participaram do ato político organizado pelos tucanos para inaugurar a campanha de Aécio ao segundo turno. Ambos fizeram discursos de apoio ao candidato do PSDB.

Eduardo Jorge, que recebeu mais de 630 mil votos no primeiro turno, fez críticas ao programa de governo de Aécio por não incluir pontos considerados “vitais” para o Partido Verde, mas disse que o tucano é quem reúne melhores condições para governar o país. “O PV tem programa dogmático deste março. O do Aécio demorou, mais saiu”, disse Eduardo Jorge.

Pastor Everaldo, que tem apoio de parte dos evangélicos, afirmou que Aécio representa a “verdadeira mudança” para o país e vai manter o compromisso de apoio à população mais carente do país.


Com informações O Povo Online