7 de outubro de 2014

Disputa entre Dilma e Aécio pode mexer na sucessão no Ceará

Em Estado que já protagonizou ações como “Lula lá, Zé Airton cá” e com presidente pregando “voto casadinho”, campanha deste ano no Ceará se distanciou das anteriores por brecar influência nacional na disputa local. Movimentação de forças para o segundo turno, no entanto, já sinaliza que corrida pelo Planalto deve entrar de vez na sucessão estadual. 

Com a confirmação do Aécio Neves (PSDB) no segundo turno, Dilma Rousseff (PT) vive agora dilema que dificulta sua ausência do Ceará. Isso porque, enquanto Eunício Oliveira (PMDB) luta para manter neutralidade da petista na disputa, aliados de Aécio na coligação peemedebista seguem livres para fazer campanha para o tucano no Estado.

Neste sentido, se destaca aliança entre Eunício e Tasso Jereissati (PSDB). Aliado de primeira hora de Aécio e eleito com ampla maioria ao Senado, Tasso já planeja trazer o presidenciável tucano para o Ceará. “Vou cair de cabeça na campanha do Aécio”, diz.

Um possível avanço do PSDB no Ceará, Estado que deu grande vitória à Dilma no 1º turno, complica planos da petista em uma disputa que já começa acirrada.

Confirmado o resultado das urnas neste domingo, articuladores tanto de Camilo Santana (PT) quanto de Eunício Oliveira não perderam tempo. Enquanto petistas agendaram reunião amanhã para discutir eleição de Dilma Rousseff (PT) no Ceará, o próprio Eunício deve ir hoje à Capital Federal tratar do assunto.

“Vamos nos reunir nacionalmente na quarta de manhã, para maturar a disputa no País e definir as responsabilidades do PT em cada Estado. Nossa meta é ampliar votação da Dilma e cair em campo para o Camilo”, diz o deputado José Guimarães (PT), um dos principais articuladores da campanha de Camilo Santana.

Segundo ele, o partido ainda discute presença de Dilma no Estado, mas garante que a campanha cearense deverá investir na vinculação da petista com Camilo. Isso ocorreria principalmente com intenso uso do slogan “Dilma lá, Camilo cá”, a ser lançado nos próximos dias e usado na propaganda de TV do petista.

Mais cuidadoso, Camilo Santana afirmou que manterá no segundo turno mesma posição que vinha adotando no primeiro. Ele afirma, no entanto, que não deve cobrar da presidente no Estado. “O meu principal adversário dizia que votava nela, então não seria eu que criaria problema com a presidenta Dilma”, diz.

Do lado da oposição, o coordenador da campanha de Eunício, Gaudêncio Lucena (PMDB), confirmou viagem do candidato hoje à Brasília. 

“É provável que permaneça essa equidistância entre candidatos”, diz Gaudêncio. Ele minimiza ainda possíveis ações de Tasso com Aécio no Ceará. “O Tasso tem todo o direito, afinal eles são correligionários. No 1º turno o Aécio esteve aqui em Iguatu e Juazeiro, mas o Eunício segue com a Dilma”.

Com informações O Povo Online